O pop futurístico no Mixtape Pop 2 da Charli XCX

Antes que 2017 terminasse, ele nos deu de presente Pop 2, um disco mixtape da fada Charli XCX. Eu fico impressionadíssimo com o talento e com a vontade que essa mulher tem. Se ela é injustiçada no mundo pop, não podemos dizer que é por falta de trabalho e esforço, porque isso Charli tem pra dar e vender.O Pop 2 é um projeto que Charli começou a fazer quando tinha acabado de lançar o Number  1 Angel, que aliás, é outro disco incrível que ela fez. Desde então, Charli nos revelou grandes parcerias, com artistas mega talentosos, como a Pabllo Vittar, Carly Era Jepsen, MO, Tove Lo entre outros que não são tão conhecidos na mídia.
 
Charli conseguiu recriar o pop a partir de montagens sonoras de uma forma espetacular. Porque é assim que Charli trabalha, sua arte é expressiva, e não tem limites para criatividade musical, ela tem uma liberdade criativa tão maravilhosa que fica até difícil não amar o trabalho. Mesmo que seja um disco de mixtapes, que hoje não é tão consumido como o álbum convencional ou até mesmo o bumbblegum que estamos acostumados. Charli mostrou um amadurecimento expressivo na sua sonoridade. Desde que estourou com Icona Pop em I Love it ou com o smash hit Fancy com a Iggy Azalea (ambas compostas por ela mesma), Charli tem aparecido mais no cenário e tem feito um ótimo trabalho. E podemos citar Boom Clape Boys, onde vemos que sua influencia é grande e só tende a crescer.
 
O Pop 2, é recheado de claps, batidas, metais, remixagens e outros efeitos sonoros, sem muito capricho, até porque como disse, é um mixtape. A mistura de metais com hip-hop foi uma combinação genial. O pop é reinventado a cada passo que um artista ousa sair da zona de conforto, e sair da zona de conforto é uma coisa que XCX faz super bem. Depois que ouvi o disco pela primeira vez, tive que ouvir de novo, o processamento vocal do álbum demorou pra acontecer real. O seleto grupo de parcerias de Charli soa muito bem para o que ela quer apresentar. Mesmo sendo repetitivas, Backseat com a Carly Rae Jepsen, Out of My Head com a nossa fada Tove Lo e ALMA, e Tears com Caroline Polachek, conseguem sincronizar muito bem com o vocal da Charli, deixando sempre um gosto de quero mais.
 
E todos sabem como as cantoras do pop adoram flertar com o hip-hop, com Charli não seria diferente. Você vai ouvir na sensual e provocativa I Got It com Pabllo Vittar, cupcakke e Brooke Candy, a frenética Fammebot com Dorian Electra e Mikki Blanko e Delicius com Tommy Cash deliciosas explosões de hip-hop e rap, fazneod dançantes composições com a eletrônica. Temos Unlock com Kim Petras e Jay Park que juntos fizeram uma mistura de sons, sem parecer muito agressiva, com contínuos sons sintéticos e versos repetidos, que tornam a música tão singular. Ela ainda ousou, quando saiu do convencional e resolveu usar uma flauta pra participar das junções de sons da melancolica Lucky. Porshe com MO é uma sorridente faixa que conseguiu ser a mais chiclete do disco, sem sair do conceito futurístico. E pra fechar com chave de ouro temos  Track 10, começando com uma o vocal da Charli, que passeia tão bem com os sintetizadores fazendo quase que uma viagem muito distante com a sua voz.

 

 
Pop 2 é convidativo, é bom pra quem gosta de renovar um pouco o conceito do pop. O disco é uma visão futurística do que poderia ser o pop.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s